11 de julho de 2017

Incentivar projeto Crônicas do varal da casa ao lado

DSCF0751Crônicas do varal da casa ao lado é uma reunião de textos de autoria do escritor curitibano Luiz Andrioli, que procura exercitar um olhar atento e sensível sobre a cidade de Curitiba. Andrioli já escreveu outros dois títulos ambientados na capital paranaense: “O Circo e a Cidade” (2008), sobre a família circense Queirolo e “O silêncio do vampiro” (2012), sobre o contista Dalton Trevisan.

Clique aqui para baixar o projeto em PDF

O projeto tem a aprovação da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba (clique aqui para ver a certidão de enquadramento). Qualquer empresa (ou contribuinte pessoa física) de Curitiba que recolha ISS e IPTU pode apoiar o projeto via renúncia fiscal.

O livro é o segundo da coleção Por um mundo menorque publica em 2017 os textos de Hélio Leites reunidos no volume Tarja Branca: o libreto que faltava, também realizado com o incentivo municipal. A coleção pretende reunir nos próximos anos autores que trabalham com a estética do mínimo, com olhares pitorescos e líricos sobre o fenômeno da vida. A iniciativa da coleção é da jovem editora curitibana Prosa Nova, que já tem em seu curriculum a curadoria do maior projeto literário realizado no Paraná, a Coleção Gazeta do Povo da Literatura Paranaense.

Luiz AndrioliNeste novo projeto, Andrioli estreia na crônica, gênero no qual vem se dedicando como pesquisador há alguns anos desde o seu mestrado em Literatura na UFPR. Admirador de mestres como Rubem Braga, Luiz Fernando Veríssimo, Paulo Mendes Campos e outros nomes importantes deste estilo no Brasil, o autor de “Crônicas do varal da casa ao lado” faz desta seleção de textos uma incursão nos detalhes pitorescos e líricos da capital paranaense. O pensamento do também cronista Antonio Prata serve como uma guia para o livro aqui proposto:

“[A crônica] É um gênero viralatas: tanto pode nascer de uma notícia engravidada por um conto, de um ensaio apaixonado por uma poesia ou ser filha de uma piada com pai desconhecido. Já disseram que a crônica é um ‘gênero a pé’. É amicíssima da lentidão e do imprevisto. Nasce da desatenção do todo, do esbarrão no detalhe. Brota do olhar meio zarolho que não repara no Coliseu, mas no pipoqueiro da calçada em frente.”
(Antonio Prata, O Globo, 23/6/2007)

DSCF1694 DSCF0764Boa parte dos textos deste livro tem como tema o varal de uma senhora retratada pelo narrador, do qual tem uma visão privilegiada através de sua sala de trabalho. Eles são vizinhos de muro do bairro Pilarzinho, na capital. Enquanto o narrador trabalha em uma redação improvisada nos fundos de uma empresa de comunicação, a senhora se ocupa dos afazeres domésticos e dos cuidados para com os netos. Esta é a tônica de “Crônicas do varal da casa ao lado“: uma conversa com a intimidade de quem proseia pelo muro. Ou, com diz o poeta e também cronista Fabrício Carpinejar:

“O cronista não pretende impressionar e sim ter uma interlocução sincera e caseira. Ao não se dirigir para a posteridade, sua mensagem envolvese de premência e carnalidade. Um escrever sem importância que se importa com o destinatário. Uma gratuidade na superfície, um profundidade de espírito. Influi peladespretensão. Convence porque sua seriedade é lúdica. Não projeta a voz como o romance e responde ao apelo da oralidade, simplificando ideias com desembaraço. A crônica é a beleza do gemido, a beleza da banalidade, a beleza da dispersão, a beleza da miudeza. De um caso irrelevante, de um encontro acidental, de uma perda e incompreensão, a crônica atinge seu clímax.” (Fabrício Carpinejar, em “Os pássaros aprenderam a nadar”, artigo sobre o livro Cem melhores crônicas brasileiras, de Joaquim Ferreira dos Santos, org.; Objetiva, 2007).

2012-08-092015.55.36 2012-06-033 DSCF1566

Necessário também dar uma luz ao título deste livro, visto que ele conversa com a tradição do folhetim, do antigo hábito primordial da imprensa de pendurar em cordas (ou varais) textos que eram distribuídos em capítulos. Além dos textos, a obra terá imagens produzidas pelo próprio autor, que registrou de forma espontânea, alguns dos detalhes do cotidiano da casa que lhe serviu como inspiração.

O produto

O produto final apresentado será um livro no seguinte formato:

CAPA: 21×52.8cm, 4×4 cores, Soy Ink em SUPREMO DUO DESIGN 300g. Gravação em CTP.
MIOLO: 130 págs, 16x21cm, 1 cor, TINTA 01 COR em COUCHE FOSCO 115g. Gravação em CTP. Lombada:8mm, Laminação Fosca=1 Lado(s) (CAPA), Cola HOTMELT, Corte/Vinco(CAPA), Faca Inclusa=1 Faca(s) (CAPA), Dobrado(MIOLO), Alceada(MIOLO), Costurado(MIOLO).

“Crônicas do varal da casa ao lado” terá uma tiragem física de 2 mil exemplares. Deste total, apenas 400 serão destinados para a venda, sendo que a metade deles estará em venda promocional. Já os demais, 80% da tiragem, serão puramente contrapartida social, distribuídos de forma calculada, dirigida e absolutamente gratuita. A saber:

  • 1400 para bibliotecas e escolas da rede estadual e municipal e Fundação Cultural de Curitiba;
  • 200 para incentivadores;
  • 100 para divulgação.

Também disponibilizaremos online versões digitais em EPUB, MOBI e PDF e Áudio livro, produtos digitais cujo download será completamente gratuito.

Exposição da marca do incentivador

  • Livro impresso: 2000 exemplares. Logo na contra-capa;
  • Livro digital: downloads gratuitos e ilimitados. Logo na primeira página;
  • Site: página permanente no site da editora. Logo no rodapé;
  • Convite lançamento: 1000 exemplares. Logo no rodapé;
  • Lançamento e ação de contrapartida: banners no local e possibilidade de outras ações que deem visibilidade para a empresa.