Fonte: Diário

Ontem foi a vez do jornalista Luiz Andriolli sentar no banquinho do Holofote. Entrevistado por Talita Bridum, o grande apresentador da Record falou sobre seu livro “O circo e a cidade: histórias do grupo circense Queirolo em Curitiba” e contou como é sua rotina como repórter e âncora de jornal.

Um rapaz simples que não deixou o poder da televisão interferir na sua personalidade. “A TV é um perigo”, comentou em referência à vaidade. Além de jornalista profissional, o guri é ator e escritor.

Vale a pena conferir a entrevista. Será exibida na quarta-feira 22, às 21 horas, no canal 5 da NET e 72 da TVA.

Sobre o livro:
Foram 10 anos de pesquisa junto a família Queirolo para produzir o material. Eu, antes da entrevista, nunca tinha ouvido falar desse grupo circense que fez a alegria dos cidadãos na década de 40.

Um pouco sobre a família Queirolo:
Mesmo com a péssima fama de “caveira de burro” dos curitibanos, a família resolveu assentar lona na cidade. Em 1942, na praça Carlos Gomes, os artistas fundaram o Pavilhão Carlos Gomes. Lá, faziam suas apresentações para o pessoal que saia do trabalho. Como era época de pós-guerra, a população precisava de divertimento e foi por isso que os Queirolo fizeram tanto sucesso no período.
O fim do circo foi graças ao surgimento de novas formas de diversão. A televisão foi um dos principais motivos.

No livro de Luiz Andrioli, 150 anos da história dos Queirolo está exposta. O impresso pode ser encontrado nas livrarias Curitiba.

Share This
Entre em contato!