Fonte: RIC Mais

Como um autor que não fala com a imprensa é cada vez mais citado nas páginas dos jornais? Quem é este Dalton que fala através do seu silêncio? Estas foram as principais perguntas que guiaram o escritor e jornalista Luiz Andrioli nos últimos anos. Durante o mestrado em Letras na Universidade Federal do Paraná, Andrioli analisou dezenas de reportagens e críticas a respeito de Dalton.

O objetivo era entender como um autor recluso e avesso a entrevistas aparece tanto na mídia. “Em diversas situações, percebemos que os jornalistas tomam pensamentos dos personagens de Dalton para preencher a ausência da fala do autor. Por isso o tema é o silêncio do vampiro. A reclusão do Dalton cria um efeito ficcional dentro das páginas da imprensa”, analisa Andrioli.

A abertura do livro traz o conto Carta para um velho vampiro, inspirado no livro Cartas a um jovem poeta, de Rainer Maria Rilke, obra referência para Dalton Trevisan. Nesse prólogo, Andrioli divide com o leitor algumas impressões pessoais que o levaram a admirar a obra do contista curitibano. Essa carta foi enviada para Dalton, além de ser impressa em formato de folhetim para ser distribuída de mão em mão. A estratégia já foi usada pelo contista no passado, com a qual divulgou diversos de seus textos. “Uma sincera homenagem”, diz Andrioli.

A capa do livro é um original do artista curitibano Poty Lazzarotto (1924 – 1998). A criação é de Fabi Dipp, artista gráfica responsável pelas mais recentes capas dos livros do contista.

A pesquisa

O silêncio do vampiro é fruto de um estudo feito pelo escritor e jornalista curitibano Luiz Andrioli. A pesquisa foi desenvolvida durante o mestrado em Estudos Literários na Universidade Federal do Paraná. A dissertação foi apresentada na UFPR em 2010, sob a orientação da professora doutora Marilene Weinhardt. A base inicial do acervo pesquisado foi levantada pela doutora em Letras da Universidade Estadual de Londrina Sueli de Jesus Monteiro. Para a publicação em livro, o texto foi retrabalhado, procurando aproximar ainda mais o conteúdo do leitor comum. “Não sou um acadêmico. Formalmente, na universidade, o texto foi apresentado como uma dissertação. Mas prefiro entendê-lo com um ensaio, uma reflexão feita por um leitor que seguiu o rastro do vampiro nas páginas da imprensa”, afirma.

A edição

“O silêncio do vampiro” conta com o selo da Kafka Edições, do escritor Paulo Sandrini. O título foi incluído na coleção “A Capital”, da historiadora Tatiana Marchette, que reúne outros onze volumes que tratam sobre temas relacionados com Curitiba. Andrioli já publicou outro livro na mesma coleção, “O Circo e a Cidade” (2007), que é a biografia de uma das mais importantes famílias circenses do Brasil, os Queirolo. A publicação foi viabilizada através da Lei municipal de incentivo à cultura. Além da venda em livrarias e pela internet, os livros serão distribuídos gratuitamente para bibliotecas, universidades, instituições de pesquisa, professores e demais interessados.

Sobre Dalton Trevisan

Dalton Trevisan nasceu em 1925. Formado em Direito, trabalhou nas empresas da família. Porém, desde muito jovem dedicou-se à Literatura. Na década de 1940 foi responsável pela publicação da revista Joaquim, que marcou época ao reunir em apenas 21 números intelectuais de peso, críticos, poetas e escritores. Em 1959 lança Novelas nada exemplares, livro considerado como marco inicial na carreira do contista. Em 1965 publica O vampiro de Curitiba, seu título mais conhecido, que acabou marcando também a identidade do autor. Em 1968, ganha o I Concurso Nacional de Contos do Estado do Paraná. Desde então, foram dezenas de livros publicados. Conhecido como um dos maiores escritores mundiais vivos, o contista mora em Curitiba, leva uma vida pacata e longe do assédio da imprensa. É vencedor de grandes prêmios literários, tais com o Camões, Jabuti e Portugal Telecom.

O autor Luiz Andrioli

Escritor e jornalista. Em 2012, estreou na ficção pela Grua Livros com o livro de contos “O laçador de cães”. Venceu os seguintes concursos literários nacionais: Miguel Sanches Neto (Contos, 2012) e Companhia das Letras (Haikais, 2013). Autor do infanto-juvenil “A menina do circo” (Pro Infanti Editora) e da biografia “O Circo e a Cidade” (Editora do Autor). Pós-graduado em Cinema pela e Mestre em Letras. Gerente de conteúdo online no Grupo RIC Paraná (Rede Record). Vive em Curitiba, Paraná. Mantém o site www.luizandrioli.com

Share This
Entre em contato!